DESCUBRA-O-QUE-E-O-FATOR-R-NO-SIMPLES-NACIONAL-E-COMO-CALCULALO-POST-1

Fator R do Simples Nacional – Como calcular?

Entenda como economizar a sua alíquota de impostos mensais, usando o Fator R

De acordo com a Lei Complementar Nº 155 de 2016, sua empresa pode mudar de uma alíquota de 15% para 6%, utilizando do Fator R!

Nós sabemos que, na hora de pagar os impostos, o Simples Nacional faz jus ao nome e simplifica a nossa vida, por meio do seu documento de arrecadação de tributos (DAS).

Contudo, antes disso, quando falamos da apuração e cálculo desses impostos, as coisas não são tão Simples assim…

Na verdade, se você não tiver a atenção necessária com todas as variáveis que impactam a sua apuração de impostos, pode acabar pagando mais do que o necessário, apenas para se manter em regularidade – mas sem fazer um efetivo aproveitamento fiscal.

Desse modo, uma dessas variáveis de maior impacto surgiu em 2016 e é o que chamados de fator R do Simples Nacional!

Portanto, caso você queira descobrir do que ela se trata, como calculá-la e – o mais importante para você – como reduzir uma alíquota de 15% para 6%, continue conosco neste artigo, porque vamos responder todas essas questões…

O que é o Fator R do Simples Nacional?

Fator R é a nomenclatura de um cálculo realizado de maneira mensal, utilizado para determinar se a empresa será tributada no Anexo III ou no Anexo IV do Simples Nacional, com base do percentual de receita bruta investida na folha de pagamento dos funcionários e sócios.

Desse modo, a depender do resultado atingido, você poderá ter seus rendimentos do mês tributados por tabelas diferentes, sendo que uma – o Anexo III – oferece, na maioria das suas faixas salariais, alíquotas menores do que a outra – o Anexo IV.

Como calcular o Fator R?

Portanto, agora que já sabemos do que se trata, vamos à fórmula de cálculo…

Basicamente, para calcular o Fator R, você precisa dividir todos os seus investimentos com folha de pagamento (incluindo pró-labore) dos últimos 12 meses pela receita bruta da empresa dos últimos 12 meses.

Dessa forma, temos a seguinte fórmula:

Fator R = Folha de Pagamento + Pró-labore / Receita Bruta

Tudo apurado no mesmo período de 12 meses.

Como pagar menos impostos com o Fator R?

Bom, agora que já sabemos o que ele é e como calculá-lo, vamos entender como você pode pagar menos impostos, fazendo uso do Fator R…

Portanto, como vimos, a depender do resultado do cálculo, sua empresa será tributada em uma tabela do Simples diferente – o Anexo III ou Anexo V…

Assim, esse resultado é determinado pelos 28% do Fator R, ou seja, caso “Folha de Pagamento + Pró-labore / Receita Bruta = 0,28” sua empresa poderá deixar de ser tributada no Anexo V e ir para o Anexo III, pagando menos impostos.

A lógica é a seguinte, nos casos onde o Fator R foi igual ou superior a 28%, você cai para o Anexo III e nos casos onde o Fator R foi menor a 28%, você cai para o Anexo V.

Contudo, você não precisa se preocupar com esses cálculos, basta apenas estar ciente de que é possível reduzir seus impostos com um bom planejamento!

E é exatamente isso que nós podemos fazer por você!

Fale com um de nossos especialistas hoje mesmo!

Fonte: Abrir Empresa Simples

ENTENDA-O-IMPACTO-DO-WHATSAPP-PAY-PARA-SEUS-NEGOCIOS-POST-1

Entenda os impactos do WhatsApp Pay para o seu negócio

Saiba tudo sobre o Whatsapp Pay e como aplicar na rotina da sua empresa

WhatsApp Pay chega como mais uma opção de transações financeiras para empresas e clientes, veja como se beneficiar!

Mesmo após a entrada em circulação da nova cédula de R$ 200, a gente sabe que as transações financeiras estão cada vez mais voltadas para o formato eletrônico.

E a prova disso é a concorrência, cada vez mais acirrada, entre as empresas desse setor, que buscam oferecer taxas mais atrativas aos empresários, de modo a atraí-los com as maquininhas de cartão.

Por fim, vale contextualizar que as próprias entidades bancárias vêm investindo pesado nesse formato, como podemos ver com a diminuição expressiva das agências bancárias em formato físico, assim como a contratação de novos funcionários.

E onde o WhatsApp Pay entra nisso tudo?

É exatamente isso que abordaremos a partir do tópico a seguir.

Chegada do WhatsApp Pay ao Brasil

Quem acompanha as notícias sobre tecnologia, certamente já sabe que Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, revolucionou o modo como as pessoas se relacionam no digital e, para agregar mais valor ao seu negócio, adquiriu mais alguns serviços para o seu portfólio.

Um deles é o WhatsApp, que desde 2014 pertence ao Facebook.

A maioria das pessoas enxergam esses aplicativos como entretenimento, mas muitos empresários já vêm atuando de forma profissional, de modo a encurtar a distância entre a sua empresa e os clientes.

Com isso, o WhatsApp Pay chega como um facilitador para que todo o processo de vendas possa ser feito de forma online e em apenas um aplicativo.

Imagine um cenário com o seguinte passo a passo:

  • Você faz uma oferta para a sua base de contatos, via WhatsApp;
  • O cliente se interessou por um de seus produtos;
  • A transferência é feita pelo próprio aplicativo, via WhatsApp Pay.

Consegue perceber o quanto esse serviço pode otimizar as suas vendas?

Mas, com isso, vem surgindo muitas dúvidas com relação a um outro aspecto.

Segurança nas transferências via WhatsApp Pay

Disponível tanto para Android quanto para IOS, o WhatsApp Pay, certamente, será um facilitador nos processos de vendas, mas e quanto à segurança das transações?

Bom, inicialmente, a parceria será feita com a Cielo, onde as transações poderão ser feitas tanto no débito quanto no crédito, sendo possível – ao menos no início – através de contas do Banco do Brasil, Nubank e Sicredi, nas tradicionais bandeiras Mastercard e Visa.

Todas as medidas de segurança que você já toma com relação aos seus cartões de crédito e senhas, você terá que redobrar a atenção no WhatsApp Pay, e, inclusive, adotar medidas mais rigorosas quanto ao próprio aplicativo WhatsApp, de modo a reforçar a segurança.

Medidas, como:

  • Senhas criptografadas (configurar senhas com diversos elementos, de modo a dificultar o possível acesso de hackers);
  • Autenticação em dois fatores (importantíssimo para que você não permita o acesso de terceiros ao seu aplicativo);
  • Jamais clicar em links suspeitos (ter bastante atenção quanto aos links enviados por terceiros).

Com isso, podemos concluir que o WhatsApp Pay é uma ferramenta que será muito útil nos seus negócios, de modo a trazer muito mais praticidade e conforto aos seus clientes, porém, é muito importante estar atento aos cuidados com a segurança, para que as transações sejam feitas de forma satisfatória.

Fonte: Abrir Empresa Simples